São Paulo: 459 anos de empáfia

É daqui que saem os maiores líderes do país. Não são os que assumem os mais altos cargos políticos do Brasil, mas aqueles que escolhem quem irá assumir. De São Paulo brotam ideias. Boas, ruins, inócuas, relevantes. Nem todas praticáveis, mas quase sempre, temperadas de paulistanismo: a ajuda ao próximo, o pensamento positivista, o embasamento filósifico sobre as ações. Tudo de mentirinha, tudo bem ensaiado. Totalmente comercial. Mas somos extremamente orgulhosos disso. Afinal, nós temos a Avenida Paulista. O MASP. E mais uns dois ou três cartões postais que consideramos apresentáveis. De resto, somos um grande amontoado de cinza, trajando ternos escuros e tayers de dois botões. Pagamos os melhores salários para você gastar com planos de saúde, carros de IPI reduzido e R$ 31,90 o quilo da comida.

Temos a cultura jovem, o pensamento moderno, quase futurista. Serve, basicamente, para cuspirmos sobre os que pensam diferente. Daqui, nossas ideias permeiam o pensar do restante do Brasil, com toda nossa hipocrisia, xenofobia e liberalismo. Organizamos a maior demonstração de simpatia às diferenças sexuais do Brasil, levando milhões às ruas, todos os anos, para… bem, para lucrar com isso. Nosso esporte é o melhor, pois é o mais caro do país. Nossa saúde é referência, com hospitais particulares que servem de refúgio àqueles que regem o sistema público. Temos as mais elevadas taxas de reciclagem, mas só daquele lixo que bóie nos rios quando há chuva, gerando risco de alagar nossos carros. Cobramos para você ter acesso a locais públicos. Museus, por exemplo. Parques, por exemplo. Trafegar no centro expandido nos horários que deveria estar fora dele, por exemplo. Somos justos, somos exemplos.

Independente de algumas mazelas, somos caridosos e dignos de respeito. Acolhemos, com carinho, aqueles que escolhem São Paulo como um lugar de oportunidades. Nossos viadutos têm os melhores telhados do país, e nossas encostas e bairros periféricos oferecem a segurança, salubridade e paz social que sua vida merece. Não possuímos tantas belezas naturais, mas há a beleza em se morar em São Paulo: aquele falso gostinho de se viver em uma sociedade evoluída, pujante, educada e benevolente. Quase uma Suíça. Ok, não o país dos alpes europeus, mas somos parecidos com… o Afeganistão! Menos violento, é verdade. Mas somos sempre lembrados pela mídia internacional, assim como eles! E possuímos representatividade no exterior. Somos o motor do Brasil. Somos quase uma Ferrari, puxando uma carroça de galinhas.

Imagem1“Non Ducor Duco”
Não sou conduzido, conduzo.

Somos São Paulo, 459 dias por ano.
Sim, somos São Paulo, inventamos o que bem entendemos.
E para caber dentro de si, precisamos de 100 e poucos dias a mais.

Tags: , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: