Archive for fevereiro \20\UTC 2015

Narcisismo na ponta dos dedos

20 de fevereiro de 2015

Deve ser regra e desconheço. Provavelmente, a operadora concede desconto. Ou o aparelho fica mais veloz, ágil. Será que amplia a memória? Aumenta o tráfego de dados da internet? Gera novas formas de se fazer e receber ligações? Insere emoticons exclusivos e personalizados. Afinal de contas, pra quê caralhos alguém coloca sua própria foto como imagem de fundo do celular?

No início, imaginei que fosse uma questão de segurança ou coisa que o valha. Muitas pessoas podem ter o mesmo modelo de celular, da mesma cor, com a mesma capa e, de repente, por engano, levar o seu embora. Ela perceberia assim que sua imagem Postmodern aparecesse na tela. Algo como: “Bem, deixa eu ver meu Facebook aqui e… Opa! Claudinha? Nossa, me confundi! Vou devolver!”. Mas não, não é isso.

Amor próprio? Autofelação visual? “Meu deus, como sou lindo (a)!”. Qualquer coisa vira motivo para selfie ou fotos no espelho. Um decote de gorda. Uma barba rala de adolescente. Um boné da Oakley feito pela Cuca Fresca. Um “novo” corte de cabelo. Não faz mal, vale o registro. Para sempre. Ou por dias. Ou até quando alguém te disser que sua foto já está “meio antiga”. Aí magoa. E a pessoa vai comprar outro boné. Ou trocar de lingerie. Ou raspar a cabeça. Mas não, não é isso.

Uma explicação conveniente seria bastante simples: porque o celular é da pessoa, e ela coloca ali o que bem entender. “Paguei, é meu, a vida é minha, não me enche!”. E concordo com essa. Eu também não vejo problema em você ser um completo imbecil carente que não come e não é comido por nada nem ninguém e sinta necessidade de se autoelogiar diariamente, assim que recebe uma ligação, mensagem de texto ou foto de sacanagem no WhatsApp. Só acho meio… como dizer? Humilhante?

O mundo é enorme. Há mais de 7 bilhões de pessoas nele. Paisagens paradisíacas, imagens tocantes, símbolos e brasões que podem representar muito para sua vida. Um cantor, uma dançarina, um platelminto, sei lá. Não: na sua cabeça, não há nada no universo que seja mais digno de sua apreciação do que você mesmo (a). Diz que ama pizza, que morre pelos pais, que é Palmeiras de coração, que é defensor dos animais, “Força, foco e fé”. E coloca a porra da sua foto no celular.

Na verdade, tanto faz.
Esse post não tem muito sentido e estou reclamando de algo koelhístico.
E foi só uma desculpa para dizer que amo essa foto, pela sinceridade da coisa.

nheco

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sentimentos são quase impossíveis de ser tão bem retratados.

Anúncios

Segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

3 de fevereiro de 2015

Voltar de um fim de semana para a mesa do trabalho nunca é fácil. A sexta, sábado e domingo podem ser divertidos, recheado de amigos e histórias engraçadas, festas, encontros, momentos mágicos, mas a segunda-feira estará sempre lá, nos colocando nos trilhos da realidade. Ontem não foi diferente. O fim de semana tinha sido pesado: Danilo está, mais uma vez, com um “dente chato” nascendo. Não houve febre como em algumas outras vezes, mas o bom humor do pequeno se foi. Nem a festinha de aniversário da Lara, filha da Jadiny, tinha o convencido que seria um final de semana divertido. Choro, manha, cara fechada e hiperatividade. O dia dele parecia ter 48h. O nosso, 72h.

Coloca no carrinho e passeia. Cansa. Tira do carrinho, coloca no chão. Escala a escada. Tira da escada, coloca no cadeirão para alimentar. Cospe tudo, berra, chora. Coloca o DVD da Galinha Pintadinha: alguns poucos minutos de alívio – para todos. Isso foi sábado e domingo. O coitado cansou, eu cansei, a Marcia cansou. Até a Ramona deu uma caída, visto que não quis brincar de bola com o tubarão de 14 meses. O domingo terminou e veio aquela sensação: “Ufa! Ainda bem que amanhã é segunda-feira”.

Trabalhei normalmente. A chuva logo pela manhã, o trem lento, o guarda-chuva furado, a internet lenta. A melhor parte do “dia útil” foi almoçar a feijoada que fiz no domingo – sim, ficou muito boa, obrigado. Na volta, veio a dúvida que não saiu da minha cabeça ao longo do dia inteiro, mas que eu evitava trazer à tona: “será que vai estar tudo igual?” Não, não estava. Ainda bem.

Chego em casa, brinco rapidamente com a Ramona e dou um beijo na Marcia. “E ele, como é que está?”. Ele já estava sorrindo. Feliz em me ver (isso é MUITO gostoso). Lavo as mãos, pego ele no colo e saio passeando pela casa. “E aí, como foi seu dia no berçário? Aprendeu coisa nova? Brincou bastante?”. A resposta é quase sempre a mesma: “- papapapapa” e aponta para alguma coisa que ele quer. Mamadeira, tv, folhas na árvore, carro e por aí vai. Toca o celular. É do trabalho. “Puta que pariu!”.

Trabalho “urgente”. Vou usar o notebook da Marcia, pois estou com preguiça demais de ir até os fundos da casa e usar o PC. Danilo fica no chão brincando com alguma coisa que nem me lembro mais, e a mãe por perto. De repente, ele me vê trabalhando e diz: “Papaiê!”. Não paro de trabalhar – idiota. A mãe já chorando, eu rindo e respondendo ao maldito e-mail recheado de erros de português. “Enviar”. Tchau, segunda-feira. Tchau sábado trabalhoso, tchau domingo chato. Levanto, beijo o pequeno, pego no colo e voltamos a brincar. Não repetiu mais a palavra mágica, mesmo comigo insistindo.

Não tô nem aí.
Ontem, “mêsversário” dele, quem ganhou o presente fomos nós.
Essa segunda-feira podia não ter fim.


%d blogueiros gostam disto: